Category: Espaço Você Repórter

Ônibus ou sauna?

No mês passado viajei em dois ônibus da linha 306 (Praça Seca X Castelo) que estavam com problemas nos ares-condicionados. Os veículos com numeração C47488 e C47658 possuem janelas sem a possibilidade de abertura e, com o calor de 40°C nas ruas somado a respiração de várias pessoas no interior dos ônibus, ficava praticamente insuportável estar lá dentro. Infelizmente esse é um problema que ocorre em várias linhas, inclusive nos BRTs.

Desrespeito ao pedestre

Os transeuntes da Rua Iriquitiá, na Taquara, tiveram que andar pela pista da referida via no dia 19 de janeiro. Isso porque vários sacos de lixo foram jogados na calçada de qualquer jeito, próximo a um poste, ocupando todo o espaço do pedestre. Fico pensando: será que as pessoas não têm a mínima consideração pelo próximo, a ponto de refletir por onde passarão os outros antes de sair jogando o lixo dessa forma?

 

Leandro Nardoni

Risco em frente ao Cardoso Fontes

Tive total dificuldade para atravessar a rua (pistas) em frente ao Hospital Federal Cardoso Fontes. É inadmissível a inexistência de uma passarela em um local como esse. Que tem pessoas com dificuldade para atravessar por ser um hospital e com pistas para trânsito expresso por onde trafegam ônibus, carros e demais veículos em alta velocidade.

Rosilane Martins

Mato alto na Freguesia

Lixo e mato alto no rio, acompanhados de um mau cheiro insuportável é o cenário que pode ser facilmente contemplado da ponte localizada na Passarela da Freguesia.  O local precisa urgentemente de uma limpeza total.

Jorge Duarte

Bandalha em engarrafamentos

Engarrafamento é algo que causa transtornos tanto a motoristas, quanto a pedestres, tendo em vista que, para se verem livres do “trânsito parado”, alguns condutores optam por trafegar sobre as calçadas. O desrespeito é tamanho que são instalados fradinhos para preservar o espaço destinado aos transeuntes, porém infelizmente eles não conseguem impedir a passagem de motos, que mesmo sem engarrafamentos são conduzidas pelas calçadas.

Panfletagem eleitoral nos acessos ao BRT

A passarela e rampas de acesso à estação de BRT da Taquara está repleta de entregadores de panfletos de candidatos às eleições. As pessoas pegam o material distribuído e descartam no chão, inclusive dentro da estação. O piso da mesma é de granito e o material fica escorregadio no piso. Ontem pisei em um desses panfletos no interior da estação e meu pé deslizou, graças a Deus não caí. Definitivamente falta fiscalização nesta estação, que já é repleta de camelôs diariamente em seus acessos.

Descaso na Curicica

Os moradores da Curicica continuam sofrendo com ruas esburacadas, lixo, poeira, ônibus e caminhões passando em ruas que não tem nenhum  preparo  para esse tipo de tráfego.

Sem contar com o rio Pavuninha, que mesmo com as obras da Transolímpica em suas proximidades, continua totalmente assoreado e, agora também, com entulho das obras.  Bastam vinte minutos de chuva forte para que haja o transbordamento do rio, que pode ser considerado como um ex-rio, pois virou uma enorme vala negra.

Celina Duarte.

Fios no chão

Parece que virou moda a fiação ser “largada” na calçada do bairro. Após umas duas semanas com os fios soltos no chão sem que alguma providência eficaz fosse tomada para solucionar o problema, resolvi fazer fotos para que, talvez assim, algo seja feito para retirar os fios do chão. Visualizei o mesmo problema em dois pontos da Estrada do Tindiba, na Taquara. Um deles é bem na porta de uma escola infantil, localizada no número 2.414, e outro é no ponto de ônibus, na altura do número 2.510.

Vandalismo compromete segurança no BRT

Embarquei recentemente em um BRT e fiquei surpresa com o vão que fica entre as últimas e penúltimas portas do referido ônibus articulado. As borrachas foram arrancadas.

Em ruínas

Peço encarecidamente que as autoridades olhem com carinho para o nosso bairro e, principalmente, para a nossa história, que está literalmente indo para o brejo. O nosso aqueduto localizado na Colônia Juliano Moreira foi edificado em meados do século XVIII e, atualmente, está servindo de muro para uma casa que nem deveria estar ali. Turismo não é só o Cristo ou o Pão de Açúcar, quantas oportunidades estão sendo perdidas nesse quesito em Jacarepaguá com esse total abandono? Falam tanto de “legado olímpico”, porque essa parte do nosso bairro não pode fazer parte desse “legado”?

Núbia Corrêa