ColunistasNotícias

Pausa para a poesia: Desarme-se

Desarme-se dos conceitos já traçados.
Dos erros equivocados.
Da dor da perda.

Desarme-se das opiniões,
Dos gestos angustiantes.
Da luta em vão.

Desarme-se da palavra que mata,
Que dita com irritação
Atinge direto o coração.

Desarme-se dos “preconceitos”,
Pois todos têm direitos
De serem refeitos.

Ninguém nasceu para ser mau.
Alguns se desvirtuam
Triste isso, mas é verdade.

Deus, o criador
Criou
Suas criaturas
Com amor.

Seja cada um de nós
Disseminadores do perdão.

Desarme-se e o mundo agradece.
E o irmão te admira.
E eu te ofereço uma flor.

Cris Ávila, do livro Você é Poema – Delícias do Cotidiano

Comment here